Ser mãe solo é f.o.d.a

Ser mãe solo é f.o.d.a

Ser mãe solo é foda. Me perdoem o palavrão, mas não existe outra palavra que possa expressar genuinamente a carga dessa missão! F-o-d-a.

Eu não aguento mais escutar que mãe solo é heroína, guerreira, mulher de fibra, corajosa… super heróis são auto suficientes, salvam o mundo, encontram solução para todos os problemas. E mãe solo… bem… ela tá cansada, chora escondida, queria mudar o rumo da história, se sente impotente, muitas vezes perdida, injustiçada… e por aí vai.

O texto abaixo não foi escrito por mim, até porque minha história não é bem assim. Mas essa é a história de muitas mães solo, e tocou fundo aqui. Por isso, quero compartilhar com vocês! Se você é mãe solteira, leia. Se não é, leia também. Talvez da próxima vez que a sua amiga mãe solo trocar de namorado, você compreenda um pouco melhor o que ela vive… Vamos gerar empatia.

“São quase 15h. Meu filho está no meu sofá vendo desenho e me pedindo almoço que eu não fiz.
Hoje é o final de semana do pai, que começou a contar das 9h de sábado e vai até as 18h de domingo. O pai chegou cedo, milagrosamente, mas por volta do meio dia foi cortar o cabelo e não voltou ainda. Meu filho tá pulando no sofá e eu tô cansada de ser mãe. Eu queria ser pai.
Semana passada era o final de semana dele, mas fiquei sabendo na quinta que ele ia pra África, olha só que legal, mais uma viagem internacional, e eu nem passaporte tenho. Claro que eu fico com meu filho e desmarco meu rolê com meu namorado, minha foda atrasada em uma semana a mais, uma a menos, que diferença faz? Eu sou mãe, né não?
Ele tem pós na USP, mestrado na UFMG, fala um inglês fluente com certeza. Eu não consigo nem frequentar meu cursinho todos os dias da semana. Saio todo dia na penultima aula pra pegar meu filho na escola particular que ele paga. Bom pai, paga pensão alta, tenho que valorizar. Né, não?
Ele nunca namorou depois que nos divorciamos, não precisa assumir ninguém, a vida sexual dele é livre. O filho nunca fez ele desmarcar um compromisso de sexo casual, nunca teve uma febre e ele precisou largar o pernoite pra ir pro P.S.
Já eu, já eu, sempre de namoro em namoro, sempre morando junto, sempre transando no chuveiro, senão eu não transo. Só posso gozar depois que o filho dormir, isso se eu tiver disposição.
Foi pra França, trouxe a Torre Eiffel: bom pai.
Foi pra Maputo, atrasou a visitação mais um final de semana, trouxe uma girafa: bom pai.
Foi pra Recife, trouxe um lampeão: bom pai.
Paga pensão descontada na folha: bom pai.
Nunca ficou 15 dias seguidos com o filho de 6 anos: bom pai, estava trabalhando para pagar pensão senão vai preso.
Mãe mora junto com o primeiro namorado pra dividir conta e poder foder, porque mãe também fode: puta.
Mãe não tem formação universitária: vive de pensão. é puta.
Mãe termina com o primeiro namorado: não sabe formar família. é puta.
Mãe fica desempregada e usa parte da pensão pra pagar despesas: vive do dinheiro do ex, é puta.
Mãe ajunta com o segundo namorado pra dividir aluguel e conseguir foder no chuveiro: é puta, trazendo outro macho pra dentro de casa.
Mãe pensa em sumicído (sumir ou suicídio-algo que não magoe o filho: ah, não tem essa opção)
Foda-se a mãe egoísta que quer desistir.
Vai ter que aguentar a pressão pra não desgraçar a vida do filho. Se vira, mãe.
Mãe tá esgotada. Mãe não fode. Mãe não pode. Mãe não presta.
Mãe é puta. Bom é o pai.”

L.G.

Texto anônimo, via fan page Cadê Você? 

Foto: Rita Pinheiro Braga

Ananda Urias
ananda@maezice.com.br
Instagram e snapchat: maezice
Fan Page: Fb.com/maezice
Youtube.com/maeziceblog
Grupo no Facebook Mãezice

 

Ananda Urias
Partilhar:

10 Comentários

  1. Renata
    5 de agosto de 2016 / 11:55

    Nanda tem uma parte do texto que diz assim… Minha “FODA ATRASADA” acho que ela quis dizer folga. Rs depois tu corrigi! Só uma observação! Mas amei o texto como sempre! ?

  2. Renata
    5 de agosto de 2016 / 11:59

    Reli o texto e vi que a palavra está correta. Desculpa entendi errado. Beijos

    • Ananda Urias
      5 de agosto de 2016 / 15:20

      Hahahahah é foda mesmo. Hahahaha ela é bemmmmm explicita sobre o assunto! ?

  3. Marcella
    5 de agosto de 2016 / 19:46

    Nossa, que forte, porém 200% realidade.

  4. Priscila
    6 de agosto de 2016 / 01:32

    Sou casada a 6 anos e agora tivemos nosso filho mas se algo acontecesse e me separasse não colocaria um namorado na minha casa.
    Nada contra quem põe, cada uma faz oque acredita ser melhor mas não arriscaria.
    As vezes o próprio pai maltrata o filho imagina quando não é.
    A irmã de uma colega de trabalho resolveu morar para o namorado e logo nos primeiros meses o menino apareceu na avó de olho roxo, quebrou meu coração!
    Menino tão pequenino, tão lindo e o padrasto que deveria cuidar como o pai que ele não teve faz uma monstruosidade dessa.
    Jamais ficaria tranquila, o homem da minha casa seria somente o meu filho.

    • Ananda Urias
      6 de agosto de 2016 / 16:07

      Então, você não casaria novamente?
      Eu sou prova viva que existem pessoas boas SIM! E que devemos procurar por elas para refazer as nossas vidas, SIM! Merecemos amor, merecemos amar.

  5. Aline
    6 de agosto de 2016 / 02:58

    Texto lindo nanda, legal este ponto de vista. Muitas mulheres passam por isso sozinhas com medo de exporem suas dificuldades e serem jugadas por isso. Adoro os textos que vc posta bjuss ????

  6. Andréa
    8 de agosto de 2016 / 18:27

    Incrível esse texto, Nanda! Sou mãe solo, tenho um bebe de 6 meses e nunca recebi o menor apoio do meu ex namorado. E ser mãe solo é, de fato, FODA! Não temos apoio do “bom pai”, nao fazemos quase nada por conta do tempo curto e, quando ousamos fazer, somos julgadas por tudo! Sua história com Lara me inspira, você é demais! Beijos no coração!

  7. 10 de agosto de 2016 / 14:28

    Texto perfeito…
    Fui mãe solo durante 8 anos.
    Quando estava no alto do pedestal do meu primeiro casamento, eu falava mal das mulheres que colocavam “outro macho dentro de casa”. Sabia julgar e dar palpite que era uma belezinha.
    Até que eu é que me vi sozinha com 2 filhos e tive que ficar me escondendo no banheiro pra poder namorar um pouquinho…
    Algumas mulheres precisam aprender que NINGUÉM PODE JULGAR A VIDA DE NINGUÉM. Eu aprendi da pior maneira possível. Criei 2 filhos sozinha durante 8 anos, de namorado em namorado, de encontro em encontro, de conta em conta, de favor em favor… até que conheci o meu atual marido.
    Pra quem acha que contos de fadas não existem… ele me acolheu e me abraçou por inteiro, com filhos e tudo, com o sexo quietinho no banheiro, com os finais de semana assistindo desenho… ele me amou por inteiro. Hoje temos mais 2 bebês. Nossa família é assim, perfeita pra nós! Eu, ele, 4 filhos lindos.
    E eu aprendi a parar de julgar… eu aprendi a compreender; aprendi a me colocar no lugar.
    Quando vejo uma mãe solo me solidarizo e olho pra ela com o mesmo amor que eu queria ser olhada, com a mesma compreensão, com a mesma admiração… pq ser mãe solo é muito foda!

  8. Denise
    16 de agosto de 2016 / 11:40

    Perfeito!.. e quem quiser julgar, reze para nunca ser uma mãe solo…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *